Repórter Sombra

334 followers
·
32 following
Portugal  ·  O local onde a notícia ganha mais perspectivas e são formadas ideias, através de um olhar mais ponderado, mais demorado, sobre vários temas pertinentes.
reportersombra

Repórter Sombra's best boards

More ideas from Repórter Sombra

"Cabe-nos agora a nós, cidadãos, exigir a cabal - e mais do que necessária – melhoria da nossa ferrovia. Especialmente nos tempos que correm em que há uma necessidade premente de nos deslocarmos de uma forma rápida e eficaz entre as nossas cidades, dado que os desafios laborais que se colocam a todos nós são – por força dos tempos que correm -, naturalmente, cada vez maiores. E esta exigência não pode, nem deve passar pela “vingança” que António Lobo Xavier e outros neo-liberais como ele…

"Cabe-nos agora a nós, cidadãos, exigir a cabal - e mais do que necessária – melhoria da nossa ferrovia. Especialmente nos tempos que correm em que há uma necessidade premente de nos deslocarmos de uma forma rápida e eficaz entre as nossas cidades, dado que os desafios laborais que se colocam a todos nós são – por força dos tempos que correm -, naturalmente, cada vez maiores. E esta exigência não pode, nem deve passar pela “vingança” que António Lobo Xavier e outros neo-liberais como ele…

"A ti, cancro, que no final do filme até que foste um bom rebelde. Que obrigaste alguém a vestir uma gabardine durante várias estações, dá um bocadinho de descanso às pessoas do mundo. Faz aquelas pausas tão necessárias no cinema para todos falarmos sobre o quão boa é a nossa vida e a valorizarmos."

"A ti, cancro, que no final do filme até que foste um bom rebelde. Que obrigaste alguém a vestir uma gabardine durante várias estações, dá um bocadinho de descanso às pessoas do mundo. Faz aquelas pausas tão necessárias no cinema para todos falarmos sobre o quão boa é a nossa vida e a valorizarmos."

"Eu posso arrumar a minha casa, posso mantê-la como está ou posso, numa explosão furiosa e inédita na minha pessoa, partir tudo. O problema é quando somos forçados a optar exclusivamente entre as duas últimas, quando nos dizem que não há arrumações possíveis ou que estas estão equiparadas às ações de vândalos que a querem partir. Gosto demasiado da União Europeia para sequer admitir esta última opção, mas também há muitos quartos que precisam de uma bela limpeza de Verão."

"Eu posso arrumar a minha casa, posso mantê-la como está ou posso, numa explosão furiosa e inédita na minha pessoa, partir tudo. O problema é quando somos forçados a optar exclusivamente entre as duas últimas, quando nos dizem que não há arrumações possíveis ou que estas estão equiparadas às ações de vândalos que a querem partir. Gosto demasiado da União Europeia para sequer admitir esta última opção, mas também há muitos quartos que precisam de uma bela limpeza de Verão."

"Felicidade não é só atingir objetivos, mas também apreciar os pequenos momentos. As tardes de verão com amigos, aquela música que tanto gostamos a dar na rádio, a forma como dançamos quando não queremos saber quem poderá estar a olhar, comer aquela comida maravilhosa sem pensar em calorias, aproveitar cada momento da melhor forma possível, não levar as coisas tão a sério."

"Felicidade não é só atingir objetivos, mas também apreciar os pequenos momentos. As tardes de verão com amigos, aquela música que tanto gostamos a dar na rádio, a forma como dançamos quando não queremos saber quem poderá estar a olhar, comer aquela comida maravilhosa sem pensar em calorias, aproveitar cada momento da melhor forma possível, não levar as coisas tão a sério."

"Ter algo traz felicidade, mas, no final do dia, quando estamos sozinhos, sentados no sofá e a fazer-se noite lá fora, só estamos nós e o que somos. Despidos de tudo. Só nós. É certo que, às vezes, o mundo está do avesso e o que as pessoas têm torna-se mais importante. Refiro-me àquilo que é material físico. E acaba por ser uma guerra: quem tem mais, é quem é mais poderoso. E quem é bom? Quem é melhor?"

"Ter algo traz felicidade, mas, no final do dia, quando estamos sozinhos, sentados no sofá e a fazer-se noite lá fora, só estamos nós e o que somos. Despidos de tudo. Só nós. É certo que, às vezes, o mundo está do avesso e o que as pessoas têm torna-se mais importante. Refiro-me àquilo que é material físico. E acaba por ser uma guerra: quem tem mais, é quem é mais poderoso. E quem é bom? Quem é melhor?"

"Este bestseller do 'New York Times' conta, de facto, a estória de mais um homem avarento e implicativo. E, mais uma vez, a narrativa encaminha-nos para o desenvolvimento de afeição por uma personagem que, inicialmente, nos parece odiosa. Como seria de esperar, o enredo envolve-nos, numa leitura entusiasmante. Tem comoção, humor negro e, acima de tudo, muita consistência entre personalidades e acções."

"Este bestseller do 'New York Times' conta, de facto, a estória de mais um homem avarento e implicativo. E, mais uma vez, a narrativa encaminha-nos para o desenvolvimento de afeição por uma personagem que, inicialmente, nos parece odiosa. Como seria de esperar, o enredo envolve-nos, numa leitura entusiasmante. Tem comoção, humor negro e, acima de tudo, muita consistência entre personalidades e acções."

"Julho e, em especial, Agosto são os meses em que ficamos ora de “papo para o ar” na areia, ora de “molho” a refrescar. O mundo fica em stand by e durante estas semanas não há grandes acontecimentos na agenda noticiosa. E, por isso, tomei a opção editorial em trazer para a discussão o universo ultra-fabolous (or not) da beleza. Os novos perfumes da Kim Kardashian, o episódio de body shaming às amigas de Chiara Ferragni e a tendência vajazzle são o recheio que compõe a crónica deste mês."

"Julho e, em especial, Agosto são os meses em que ficamos ora de “papo para o ar” na areia, ora de “molho” a refrescar. O mundo fica em stand by e durante estas semanas não há grandes acontecimentos na agenda noticiosa. E, por isso, tomei a opção editorial em trazer para a discussão o universo ultra-fabolous (or not) da beleza. Os novos perfumes da Kim Kardashian, o episódio de body shaming às amigas de Chiara Ferragni e a tendência vajazzle são o recheio que compõe a crónica deste mês."

"Não há ninguém no mundo que equilibre tanto o meu mau feitio e que se pareça tanto comigo como tu e o Ildo. Sim, aqui em casa cada um tem um nickname. Patrícia, Afonso, Ana e Paulo não tem tanta piada como Preciosa, Ildefonso Godofredo, Teresinha Zarolha e Júlio, o Homem Galinha."

"Não há ninguém no mundo que equilibre tanto o meu mau feitio e que se pareça tanto comigo como tu e o Ildo. Sim, aqui em casa cada um tem um nickname. Patrícia, Afonso, Ana e Paulo não tem tanta piada como Preciosa, Ildefonso Godofredo, Teresinha Zarolha e Júlio, o Homem Galinha."

"A vida e a morte andam sempre de mãos dadas. Porém, a vida faz questão de nos mostrar que há mais vida para além da morte. Parece confuso, mas é assim que as coisas são. Basta-nos sentir a presença de alguém que já partiu, através das nossas atitudes, dos nossos valores, dos retratos das molduras, das acções que praticamos, das brisas que cheiramos, dos sons que ouvimos, das coisas, dos lugares que frequentamos… É aí que a saudade reside e que sentimos a vida de quem já partiu."

"A vida e a morte andam sempre de mãos dadas. Porém, a vida faz questão de nos mostrar que há mais vida para além da morte. Parece confuso, mas é assim que as coisas são. Basta-nos sentir a presença de alguém que já partiu, através das nossas atitudes, dos nossos valores, dos retratos das molduras, das acções que praticamos, das brisas que cheiramos, dos sons que ouvimos, das coisas, dos lugares que frequentamos… É aí que a saudade reside e que sentimos a vida de quem já partiu."

"Quando nos sentimos felizes, tendemos a gerar processos de aceitação fisiológicas e corporais que nos movimentam para a frente com a ajuda dos dois principais neurotransmissores: a serotonina (responsável por regular o estado de alerta e de humor no organismo e que, em baixos níveis, está relacionado com a falta de motivação e depressão) e a dopamina (associada ao movimento, memórias e sensação de prazer)."

"Quando nos sentimos felizes, tendemos a gerar processos de aceitação fisiológicas e corporais que nos movimentam para a frente com a ajuda dos dois principais neurotransmissores: a serotonina (responsável por regular o estado de alerta e de humor no organismo e que, em baixos níveis, está relacionado com a falta de motivação e depressão) e a dopamina (associada ao movimento, memórias e sensação de prazer)."

"As regras foram criadas para manter a ordem numa sociedade. Quando criamos regras, o objetivo é cuidar/proteger alguma coisa e educar quem as segue. Há quem as respeite, há quem prefira quebrá-las. Mas, no fundo, há momentos em que quebrá-las é legítimo. Há momentos das nossas vidas em que sentimos que as regras criadas não foram as mais adequadas a determinadas situações. E, por esse motivo, é legítimo que manifestemos a nossa opinião e lutemos pela mudança, mesmo que isso implique quebrar…

"As regras foram criadas para manter a ordem numa sociedade. Quando criamos regras, o objetivo é cuidar/proteger alguma coisa e educar quem as segue. Há quem as respeite, há quem prefira quebrá-las. Mas, no fundo, há momentos em que quebrá-las é legítimo. Há momentos das nossas vidas em que sentimos que as regras criadas não foram as mais adequadas a determinadas situações. E, por esse motivo, é legítimo que manifestemos a nossa opinião e lutemos pela mudança, mesmo que isso implique quebrar…

"É verdade que o nosso planeta se altera ao longo dos tempos. Já tivemos enormes períodos de frio, outros de intenso calor e ainda outros em que as monções eram frequentes um pouco por todos os continentes. É normal que tal seja assim, dado que a Terra é um ser vivo em constante mutação. O problema do nosso tempo é que estas mesmas mutações estão, cada vez mais, a suceder num espaço de tempo cada vez mais reduzido. Para além de que a sua imprevisibilidade, é, devido à tal questão da rapidez…

"É verdade que o nosso planeta se altera ao longo dos tempos. Já tivemos enormes períodos de frio, outros de intenso calor e ainda outros em que as monções eram frequentes um pouco por todos os continentes. É normal que tal seja assim, dado que a Terra é um ser vivo em constante mutação. O problema do nosso tempo é que estas mesmas mutações estão, cada vez mais, a suceder num espaço de tempo cada vez mais reduzido. Para além de que a sua imprevisibilidade, é, devido à tal questão da rapidez…

"O toque da campainha acordou-o desses pensamentos. Quem seria àquela hora? De toalha enrolada à cintura, sem nada mais que o cobrisse, abriu a porta. Era ela que sofria da mesma insónia. Abraçaram-se e a peça que cobria a sua nudez soltou-se. O amor é sempre urgente. A todas as horas e sempre. Amaram-se sem pudores nem pressas, numa valsa que só eles sabiam e haviam ensaiado."

"O toque da campainha acordou-o desses pensamentos. Quem seria àquela hora? De toalha enrolada à cintura, sem nada mais que o cobrisse, abriu a porta. Era ela que sofria da mesma insónia. Abraçaram-se e a peça que cobria a sua nudez soltou-se. O amor é sempre urgente. A todas as horas e sempre. Amaram-se sem pudores nem pressas, numa valsa que só eles sabiam e haviam ensaiado."

"Uma obra tão viva e real, que mais parece ter sido vivida por Valter Hugo Mãe, um escritor que é capaz de convidar o leitor a entrar na narrativa, sentindo-a, vendo cada espaço nela descrito e vivendo a história como se fosse sua. Nesta obra, 5 sentidos é pouco para quem tanto a sente."

"Uma obra tão viva e real, que mais parece ter sido vivida por Valter Hugo Mãe, um escritor que é capaz de convidar o leitor a entrar na narrativa, sentindo-a, vendo cada espaço nela descrito e vivendo a história como se fosse sua. Nesta obra, 5 sentidos é pouco para quem tanto a sente."

"A gratidão ajuda-nos a transportar a prosperidade que tanto desejamos no futuro para o momento de agora. Quando aceitamos e reconhecemos o que temos hoje não significa que não podemos ambicionar mais, mas que, ainda que queiramos algo diferente, sabemos dar valor ao que temos e não fazemos com que a nossa felicidade dependa única e exclusivamente dos sucessos que atingimos."

"A gratidão ajuda-nos a transportar a prosperidade que tanto desejamos no futuro para o momento de agora. Quando aceitamos e reconhecemos o que temos hoje não significa que não podemos ambicionar mais, mas que, ainda que queiramos algo diferente, sabemos dar valor ao que temos e não fazemos com que a nossa felicidade dependa única e exclusivamente dos sucessos que atingimos."

"Porque, quando se parte, não só ficam os cacos. Deixa-se também no chão todo o que já se comeu lá. As discussões geradas à mesa porque o jantar é peixe cozido. E o desejo da louça não ser frágil o suficiente para no momento em que caí não se voltar a levantar."

"Porque, quando se parte, não só ficam os cacos. Deixa-se também no chão todo o que já se comeu lá. As discussões geradas à mesa porque o jantar é peixe cozido. E o desejo da louça não ser frágil o suficiente para no momento em que caí não se voltar a levantar."

Pinterest
Search