Explora Saudades, Chuva e outros!

Explorar tópicos relacionados

CHUVA: Saudades!!

CHUVA: Saudades!!

CHUVA: O fim do mundo

CHUVA: O fim do mundo

CHUVA: Nada mudou!

CHUVA: Nada mudou!

CHUVA:

CHUVA:

CHUVA: Risca de gizOlhou não crendo queenxergava aquilo, ...

CHUVA: Risca de gizOlhou não crendo queenxergava aquilo, ...

CHUVA:

CHUVA:

MORIBUNDO Ouvia aquela música como se tivesse entregado sua alma. Acamado há tempos sentia sua vida esvair-se e parecia preparado. Diante de um silêncio mortal as voltas daquela cama estavam pessoas assistindo sua dor incontrolável, onde em um último suspiro partiu levando apenas sua crença, crente em que aprendera. O melhor ainda estava por vir, pois quando vivo, acabara não lutando para mudar o mundo. Quanto à família todos esperam ao menos que o morto estivesse certo.

MORIBUNDO Ouvia aquela música como se tivesse entregado sua alma. Acamado há tempos sentia sua vida esvair-se e parecia preparado. Diante de um silêncio mortal as voltas daquela cama estavam pessoas assistindo sua dor incontrolável, onde em um último suspiro partiu levando apenas sua crença, crente em que aprendera. O melhor ainda estava por vir, pois quando vivo, acabara não lutando para mudar o mundo. Quanto à família todos esperam ao menos que o morto estivesse certo.

PEREGRINAR A solidão que sentia não podia ser medida pelos que o cercavam. Viajava sempre sem sair de sua varanda, levando-se para terras distantes em lugares paradisíacos, sempre bem acompanhado. Também havia céus estrelados e noites claras. Miséria não se via, riqueza também não. Quando pousava novamente em sua rotina, percebia amigos indesejados, trabalho que odiava, sempre esboçados com sorrisos largos em seu rosto. Achava-se chato por não encontrar algum humor engraçado, considera...

PEREGRINAR A solidão que sentia não podia ser medida pelos que o cercavam. Viajava sempre sem sair de sua varanda, levando-se para terras distantes em lugares paradisíacos, sempre bem acompanhado. Também havia céus estrelados e noites claras. Miséria não se via, riqueza também não. Quando pousava novamente em sua rotina, percebia amigos indesejados, trabalho que odiava, sempre esboçados com sorrisos largos em seu rosto. Achava-se chato por não encontrar algum humor engraçado, considera...

Palavras Digitadas: Resenha: Chuva para lavar a alma - Anderson Caum

Palavras Digitadas: Resenha: Chuva para lavar a alma - Anderson Caum

Estava já desfalecendo. Sentia sua vida sucumbir em uma madrugada solitária, onde resolveu não acordar ninguém. Acredito que por sentir que as dores seriam saradas, apesar de temer a morte. Naquele momento reuniu coragem para fazer silêncio, quando sua respiração chegava com dificuldade e suas vistas já estavam escuras. Tratava-se de uma doença poderosa em que nada mais poderia ser feito e Sabrina sabia disso. Amanheceu o dia, sem ela, mas ainda assim claro e com o sol batendo em sua…

Estava já desfalecendo. Sentia sua vida sucumbir em uma madrugada solitária, onde resolveu não acordar ninguém. Acredito que por sentir que as dores seriam saradas, apesar de temer a morte. Naquele momento reuniu coragem para fazer silêncio, quando sua respiração chegava com dificuldade e suas vistas já estavam escuras. Tratava-se de uma doença poderosa em que nada mais poderia ser feito e Sabrina sabia disso. Amanheceu o dia, sem ela, mas ainda assim claro e com o sol batendo em sua…

Pinterest
Pesquisar