Explora Anjos, Tudo e outros!

Explorar tópicos relacionados

Augusto dos Anjos - 166 - Nimbus

Augusto dos Anjos - 086 - Minha árvore Olha: É um triângulo estéril de ínvia estrada! Como que a erva tem dor... Roem-na amar...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 178 - Noturno

Augusto dos Anjos - 086 - Minha árvore Olha: É um triângulo estéril de ínvia estrada! Como que a erva tem dor... Roem-na amar...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 064 - A um gérmen

Augusto dos Anjos - 072 - Aos meus filhos Na intermitência da vital canseira, Sois vós que sustentais (Força Alta exige-o...)...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 095 - A nau

A Heitor de Lima Sôfrega, alçando o hirto esporão guerreiro, Zarpa. A íngreme cordoalha úmida fica... Lambe-lhe a quilha a es...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 069 - O sarcófago

A antítese do novo e do obsoleto, O Amor e a Paz, o Ódio e a Carnificina, O que o homem ama e o que o homem abomina. Tudo convém para...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 098 - Viagem de um vencido

Eu e o esqueleto esquálido de Esquilo Viajávamos, com uma ânsia sibarita, Por toda a pró-dinâmica infinita, Na inconsciência de um z...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 070 - Hino à dor

Dor, saúde dos seres que se fanam, Riqueza da alma, psíquico tesouro, Alegria das glândulas do choro De onde todas as lágrima...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 062 - O pântano

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 062 - O pântano

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 044 - Alucinação à beira-mar

Um medo de morrer meus pés esfriava. Noite alta. Ante o telúrico recorte, Na diuturna discórdia, a equórea coorte Atordoadoram...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 023 - Vozes da morte

Vinha passando pelo meu caminho Um vulto estranhamente iluminado... Para onde eu ia, o vulto ia a meu lado E desde então, não ...

Pinterest
Pesquisar