Augusto dos Anjos - 122 - Súplica num túmulo

Augusto dos Anjos - 122 - Súplica num túmulo - Eu e Outras Poesias

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 064 - A um gérmen

Augusto dos Anjos - 072 - Aos meus filhos Na intermitência da vital canseira, Sois vós que sustentais (Força Alta exige-o...)...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 178 - Noturno

Augusto dos Anjos - 086 - Minha árvore Olha: É um triângulo estéril de ínvia estrada! Como que a erva tem dor... Roem-na amar...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 065 - Natureza íntima

O homem por sobre quem caiu a praga Da tristeza do Mundo; o homem que é triste Para todos os séculos existe E nunca mais o seu...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 132 - André Chénier

Na real magnificência dos gigantes Grave como um lacedemônio harmoste André Chénier ia subir ao poste A que Luís XVI subira da...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 095 - A nau

A Heitor de Lima Sôfrega, alçando o hirto esporão guerreiro, Zarpa. A íngreme cordoalha úmida fica... Lambe-lhe a quilha a es...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 045 - Vandalismo

A antítese do novo e do obsoleto, O Amor e a Paz, o Ódio e a Carnificina, O que o homem ama e o que o homem abomina. Tudo convém para...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 036 - Gemidos de arte

Esta desilusão que me acabrunha É mais traidora do que o foi Pilatos!... Por causa disto, eu vivo pelos matos, Magro, roendo a subst...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 044 - Alucinação à beira-mar

Um medo de morrer meus pés esfriava. Noite alta. Ante o telúrico recorte, Na diuturna discórdia, a equórea coorte Atordoadoram...

Poesia - Sanderlei Silveira: Augusto dos Anjos - 040 - A árvore da serra

Augusto dos Anjos - 084 - A um epiléptico Perguntarás quem sou?! -- ao suor que te unta, À dor que os queixos te arrebenta, a...

Pinterest
Pesquisar