Telescópio Espacial James Webb, o sucessor do Telescópio Espacial Hubble.  James Webb Space Telescope ou JWST é um projeto de uma missão não tripulada norte-americana da Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço (NASA), com a finalidade de colocar no espaço um observatório para captar a radiação infravermelha.....

Telescópio Espacial James Webb, o sucessor do Telescópio Espacial Hubble. James Webb Space Telescope ou JWST é um projeto de uma missão não tripulada norte-americana da Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço (NASA), com a finalidade de colocar no espaço um observatório para captar a radiação infravermelha.....

Como radiotelescópios nos mostram galáxias invisíveis  Nosso universo é estranho maravilhoso e vasto diz a astrônoma Natasha Hurley-Walker. Uma nave espacial não pode levá-lo em suas profundidades (ainda) mas um radiotelescópio pode. Nesta palestra hipnotizante e cheia de imagens Hurley-Walker mostra como ela investiga os mistérios do universo usando tecnologia especial que revela espectros de luz que não podemos ver.  Espaço a fronteira final. Ouvi essas palavras quando tinha apenas seis…

Como radiotelescópios nos mostram galáxias invisíveis Nosso universo é estranho maravilhoso e vasto diz a astrônoma Natasha Hurley-Walker. Uma nave espacial não pode levá-lo em suas profundidades (ainda) mas um radiotelescópio pode. Nesta palestra hipnotizante e cheia de imagens Hurley-Walker mostra como ela investiga os mistérios do universo usando tecnologia especial que revela espectros de luz que não podemos ver. Espaço a fronteira final. Ouvi essas palavras quando tinha apenas seis…

Boa noite amigos(as)!  Hoje temos mais uma imagem de galáxias interagindo, antigamente, pelo a imagem que tínhamos do Telescópio Espacial Hubble os cientistas pensavam que eram apenas duas galáxias, mas com essa nova fotografia da NACO os astrônomos conseguiram identificar mais uma integrante dessa dança cósmica. Interações entre três galáxias de tamanhos semelhantes é algo raro na astronomia.

Boa noite amigos(as)! Hoje temos mais uma imagem de galáxias interagindo, antigamente, pelo a imagem que tínhamos do Telescópio Espacial Hubble os cientistas pensavam que eram apenas duas galáxias, mas com essa nova fotografia da NACO os astrônomos conseguiram identificar mais uma integrante dessa dança cósmica. Interações entre três galáxias de tamanhos semelhantes é algo raro na astronomia.

O Telescópio Espacial Hubble capturou uma anã branca a girar e a esculpir algumas características incríveis dentro da nebulosa planetária (NGC 5189) que formou.

O Telescópio Espacial Hubble capturou uma anã branca a girar e a esculpir algumas características incríveis dentro da nebulosa planetária (NGC 5189) que formou.

O astrónomo Joe Liske (também conhecido por Dr. J) apresenta os vencedores do concurso de processamento de imagens de tesouros escondidos, um concurso de 2012, que desafiou o público a descobrir espetaculares imagens do Telescópio Espacial Hubble que nunca foram lançadas. Veja os resultados aqui.

O astrónomo Joe Liske (também conhecido por Dr. J) apresenta os vencedores do concurso de processamento de imagens de tesouros escondidos, um concurso de 2012, que desafiou o público a descobrir espetaculares imagens do Telescópio Espacial Hubble que nunca foram lançadas. Veja os resultados aqui.

Se você vivesse em uma das luas de Plutão, Nix ou Hydra, você não teria uma vida fácil, nem mesmo para programar seu despertador. Isso porque você não saberia ao certo, nem quando e nem mesmo em qual direção o Sol nasceria. Uma análise compreensiva de todos os dados disponíveis do Telescópio Espacial Hubble mostra que duas luas de Plutão, Nix e Hydra, giram e dão cambalhotas de forma imprevisível. Os cientistas acreditam que as outras duas luas, Kerberos e  Styx, estão provavelmente na mesma…

Se você vivesse em uma das luas de Plutão, Nix ou Hydra, você não teria uma vida fácil, nem mesmo para programar seu despertador. Isso porque você não saberia ao certo, nem quando e nem mesmo em qual direção o Sol nasceria. Uma análise compreensiva de todos os dados disponíveis do Telescópio Espacial Hubble mostra que duas luas de Plutão, Nix e Hydra, giram e dão cambalhotas de forma imprevisível. Os cientistas acreditam que as outras duas luas, Kerberos e Styx, estão provavelmente na mesma…

A Princesa do Alentejo celebra o Telescópio Espacial Hubble (HST)

A Princesa do Alentejo celebra o Telescópio Espacial Hubble (HST)

Telescópio Espacial Hubble 7 500x408 Fotos do Telescópio Espacial Hubble

Telescópio Espacial Hubble 7 500x408 Fotos do Telescópio Espacial Hubble

Esta imagem do telescópio espacial de Hubble da NASA resolve, pela primeira vez, uma das estrelas as menores em nossa galáxia da Via Láctea. Chamado Gliese 623b ou Gl623b, a estrela diminutiva (direita do centro) é dez vezes menos maciça do que o Sol e 60.000 vezes mais fraca. (Se fosse tão longe quanto o Sol, seria apenas oito vezes mais brilhante do que a Lua cheia).  Localizado a 25 anos-luz de distância na constelação Hercules, Gl623b é o componente menor de um sistema de estrela dupla.

Esta imagem do telescópio espacial de Hubble da NASA resolve, pela primeira vez, uma das estrelas as menores em nossa galáxia da Via Láctea. Chamado Gliese 623b ou Gl623b, a estrela diminutiva (direita do centro) é dez vezes menos maciça do que o Sol e 60.000 vezes mais fraca. (Se fosse tão longe quanto o Sol, seria apenas oito vezes mais brilhante do que a Lua cheia). Localizado a 25 anos-luz de distância na constelação Hercules, Gl623b é o componente menor de um sistema de estrela dupla.

Esta é uma vista espectacular do close-up do telescópio espacial de Hubble da NASA de uma aurora elétrico-azul que seja eerily que incandesça um meio bilhão milhas afastado no planeta gigante Jupiter. Auroras são cortinas de luz resultantes de elétrons de alta energia correndo ao longo do campo magnético do planeta para a atmosfera superior. Os elétrons excitam os gases atmosféricos, fazendo-os brilhar. A imagem mostra a oval principal da aurora, que é centrada no pólo norte magnético.

Esta é uma vista espectacular do close-up do telescópio espacial de Hubble da NASA de uma aurora elétrico-azul que seja eerily que incandesça um meio bilhão milhas afastado no planeta gigante Jupiter. Auroras são cortinas de luz resultantes de elétrons de alta energia correndo ao longo do campo magnético do planeta para a atmosfera superior. Os elétrons excitam os gases atmosféricos, fazendo-os brilhar. A imagem mostra a oval principal da aurora, que é centrada no pólo norte magnético.

Pinterest
Pesquisar