Palavras sentidas

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo... ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...
7 Pins61 Seguidores
O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo...  ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo... ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo...  ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo... ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo...  ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo... ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo...  ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo... ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo...  ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo... ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo...  ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo... ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo...  ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

O corpo no espaço, ora circulando do negro rectângulo que te recebeu, ora pelo chão, ora na tua cadeira em forma de trono... ora navegando pelo dedilhado do tempo... sentia a intensidade suada das palavras, deixadas em músicas tocadas à entrada de cena. ... - Escuta e sente a batida que as palavras te vão deixar. Deixa-as desfilar pela pele do teu corpo... ... E tu não deixavas a gravidade perturbar o teu sentir. Sentias-as no teu peito...

Pinterest
Pesquisar